Almada Negreiros: o modernista que criou duas vezes o ícone de Pessoa

Rosto esguio, óculos redondos e bigode mínimo. Em 1954, Almada Negreiros executa O Retrato de Fernando Pessoa para o restaurante Irmãos Unidos, na Praça do Rossio, n.º 110, frequentado pelos colaboradores da célebre revista Orpheu. O quadro tornou-se o ícone de Pessoa e da modernidade em Almada.

Dez anos depois, a Fundação Calouste Gulbenkian encomendou a Almada Negreiros um novo retrato de Fernando Pessoa – uma réplica exata da original, mas com a imagem invertida, como se estivesse refletida num espelho. A primeira está agora exposta na Casa Fernando Pessoa. A segunda faz parte da coleção do Museu Calouste Gulbenkian.

O quadro tornou-se a imagem de marca de Pessoa. Segundo Mariana Pinto dos Santos, investigadora do Instituto de História da Arte da NOVA FCSH, trata-se de um exemplo do modernismo de Almada, “o pintor que cria ícones na pintura do século XX”, concretizando, desta forma, a sua Poiesis.

Mariana Santos parte da conferência que Almada Negreiros proferiu em 1934 na Sociedade Nacional de Belas Artes, com o título “Cuidado com a pintura!”, para, neste artigo (2013), resumir três conceitos da modernidade que norteam o discurso de Almada sobre arte e que o acompanham na sua atitude artística: a Poesia, a Ingenuidade e o Número. A pintura é apresentada por Almada como a mais moderna das artes.

“Poeta de Orpheu Futurista e Tudo” é uma das formas com que Almada se apresenta. Acima de tudo, Poeta, com maiúscula. Mas o termo tem um sentido lato, adverte a investigadora: para o artista é elemento comum de toda a arte e prática artística, aproximando-se do conceito grego de Poiesis, isto é, o conceito de criar e produzir para deixar uma marca no mundo.

A Ingenuidade está associada ao movimento futurista, em especial ao Manifesto Futurista de Marinetti, que relata um momento de purificação do qual emerge um homem novo, apologista da velocidade e do progresso, cortando com o passado.

Por último, o Número é para Almada a base de toda a criação e da relação harmoniosa e geométrica entre as coisas, isto é, a linguagem matemática à qual chegaram todos os homens, independentemente das suas origens. É o número que permite criar sem pré-conceitos, permitindo tocar “uma coisa que é divina” e chegar ao “grau zero radical da História de Arte”. A investigadora arrisca afirmar que Almada se vê como Prometeu (que roubou o fogo aos deuses para o dar os mortais), tão citado é o mito.

Mariana Pinto Santos é, juntamente com Ana Vasconcelos, curadora da exposição antológica “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”, patente no Museu Calouste Gulbenkian de 3 de fevereiro a 5 de junho de 2017.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *