Assistência aos indigentes no primeiro terço do século XX

Nas primeiras três décadas do século XX são férteis os relatos de escritores e da imprensa dos indigentes de Lisboa. É também nesta altura que se multiplicam as iniciativas assistenciais públicas e privadas a este grupo carenciado.

Mulheres de xailes escuros, sujas e pálidas, crianças maltrapilhas e ranhosas, homens de grandes barbas, prostitutas e outros desfavorecidos que viviam nas ruas, em bairros pobres ou em asilos, albergues, prisões  – assim era descritos na imprensa e em relatos de escritores – compunham a classe de indigentes de Lisboa, à margem da sociedade.

Nas primeiras décadas do século XX, assiste-se a uma evolução da caridade particular e da assistência pública, afirmando-se o Estado no seu papel de provedor. Durante a Primeira República, entre 1910 e 1926, há um investimento na legislação da assistência, em particular aos menores, refletindo o empenho na assistência aos mais carenciados.

Os asilos e os albergues de Lisboa acolhiam nestas décadas idosos sem família e meios de subsistência, homens de meia idade, sem família, impossibilitados de trabalhar por motivos de saúde, e mulheres viúvas com filhos e menores órfãos ou abandonados. A população adulta dos asilos era constituída por indivíduos solteiros, nascidos fora de Lisboa, o que pressupõe uma corrente migratória da província para a cidade, na procura de uma vida melhor. A faixa etária proeminente situava-se entre os 60 e os 80 anos.

Os menores entravam nos estabelecimentos de beneficiência entre os 6 e os 11 anos de idade, concluíam pelo menos o segundo ano de escolaridade e aprendiam regras de comportamento consideradas fundamentais. As “sopas” dos pobres, as esmolas e os banhos facultados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e outras entidades oficiais e particulares são outros exemplos de assistência aos indigentes.

Também os meios de comunicação social aderiram à ação beneficiente. O Século promoveu a criação da “Sopa para os Pobres”, com o apoio do governo de Sidónio Pais, e os banhos de mar às crianças pobres, além de divulgar as iniciativas promovidas oficialmente ou por particulares.

Estes são alguns dos dados recolhidos e analisados por Maria de Fátima Pinto, no livro “Os indigentes entre a assistência e a repressão – A outra Lisboa no 1.º terço do século” (Livros Horizonte, 1999), que resultou da sua tese de mestrado em História Moderna na FCSH.

Legenda da imagem: Albergue das Crianças Abandonadas, na Rua de Santo Amaro, 36. Fotografia de Joshua Benoliel (Arquivo Fotográfico de Lisboa).

Um comentário em “Assistência aos indigentes no primeiro terço do século XX

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *