“Não toquem na minha Alfama” – segredos de uma marcha popular vencedora

Alfama está “cheia de gente”, afirmava Nuno Lopes, encenador e figurinista da Marcha de Alfama, em março de 2017. Gente “passageira”, pessoas de fora que expulsam as de dentro. Esse foi o conceito que norteou a participação deste bairro no concurso de Marchas Populares de Lisboa em junho, do qual se sagrou vencedor. Futuras antropólogas da FCSH/NOVA estiveram no terreno a descobrir os segredos da face espetacular da marcha – os figurinos.

Siga e partilhe:
20

A quem pertenceu este palácio da Calçada do Combro?

O edifício que é hoje sede da Junta de Freguesia da Misericórdia, na Calçada do Combro, é geralmente associado à família Figueiredo Cabral de Câmara, senhores de Belmonte. Porém, Isabel Mendonça, investigadora da FCSH/NOVA, descobriu um equívoco nesta ligação e revela ainda quem contribuiu para a riqueza do seu interior.

Siga e partilhe:
20

Alfama: o bairro histórico que resistiu ao século XIX

Enfermos, insalubres, incómodos. Numa época em que as ruas se queriam largas e arejadas, era assim que as elites e o poder municipal lisboeta viam os bairros antigos de Lisboa. De todos eles, Alfama foi o mais visado por críticas e planos de modernização, que só não o modificaram irremediavelmente por falta de fundos e de vontade política.

Siga e partilhe:
20

Expressões populares com origem em Lisboa

Sabe como nasceu a expressão “cair o Carmo e a Trindade”? Ao longo dos séculos, a língua portuguesa tem vindo a colecionar dizeres populares.  Três deles tiveram origem em locais lisboetas com topónimos femininos.

Siga e partilhe:
20

Constança Capdeville: uma notável no ensino e criação de música em Lisboa

Constança Capdeville

No ano do seu 80.º aniversário, o Departamento de Ciências Musicais da FCSH/NOVA presta homenagem a Constança Capdeville. O FCSH +Lisboa recorda a sua ligação à cidade de Lisboa.

Siga e partilhe:
20

Jardim de São Pedro de Alcântara – de palco de suicídios a quase símbolo da Lisboa romântica

O gradeamento que circunda ainda hoje o jardim veio diretamente do Palácio da Inquisição do Rossio, em 1864, para diminuir a tentação do salto. O miradouro de São Pedro de Alcântara era uma “fábrica de suicídios”, que desafiava a desejada identidade romântica do espaço.

Siga e partilhe:
20

No coração de Lisboa – percurso literário

A zona que é considerada por excelência o coração da cidade é também o centro do imaginário literário. Este percurso traça a história de Lisboa, do século XIX até à atualidade, através dos seus escritores.

Siga e partilhe:
20

Cemitério dos Prazeres: a cidade dos mortos a muros com a dos vivos

Os novos espaços funerários do século XIX começaram por acolher sepulturas individuais mas depressa os jazigos se tornaram casas simbólicas que imortalizam, deixando marca no espaço e no tempo. O Cemitério dos Prazeres tem mais de sete mil.

Siga e partilhe:
20

LX Conventos: histórias das casas religiosas de Lisboa

Em 1834, existiam cerca de 100 casas religiosas em Lisboa. Decretada a extinção das ordens religiosas a 30 de maio desse ano, esses edifícios conheceram diferentes destinos.

Siga e partilhe:
20

África no feminino em ruas de Lisboa

Escritoras, jornalistas, académicas, rainhas e até uma escrava. No Dia de África, saiba quem são as mulheres africanas imortalizadas por topónimos nas artérias lisboetas.

Siga e partilhe:
20

O que é que há em Lisboa? O barco para a América

Durante a II Guerra Mundial, Lisboa acolheu milhares de refugiados de passagem para apanhar o barco que os levaria ao destino final. Alfred Döblin, escritor alemão de origem judaica, também passou pela capital, que descreveu como a “boia de salvação” no seu diário de viagem.

Siga e partilhe:
20

“Em Lisboa, sobre o mar”: uma homenagem à cidade e aos seus poetas

Pousa-se o olhar sobre as colinas de Lisboa com Manuel Alegre, caminha-se pela Sé com Ana Hatherly e canta-se no Terreiro do Paço com Vasco Graça Moura. No Dia do Autor Português, recorda-se a antologia poética que celebra a paisagem literária de Lisboa.

Siga e partilhe:
20

Museus – há lugar para jovens?

Raramente visitam um museu, mas com os conteúdos certos poderiam fazê-lo com maior frequência. Uma tese de mestrado em Ciências da Comunicação revela, tomando como estudo de caso o Museu Gulbenkian, estratégias para tornar os museus “um lugar para se estar” para os jovens.

Siga e partilhe:
20

De que se morria em Lisboa entre os séculos XVI e XIX?

Os índices de mortalidade quotidiana na Lisboa moderna eram elevados – cerca de 30 por cada mil pessoas anualmente –, mas a cidade continuava a crescer devido aos intensos fluxos migratórios. A morte chegava a todos. Porém, de forma desigual. 

Siga e partilhe:
20