Constança Capdeville: uma notável no ensino e criação de música em Lisboa

Constança Capdeville

No ano do seu 80.º aniversário, o Departamento de Ciências Musicais da NOVA FCSH presta homenagem a Constança Capdeville. O FCSH +Lisboa recorda a sua ligação à cidade de Lisboa.

Siga e partilhe:
20

Jardim de São Pedro de Alcântara – de palco de suicídios a quase símbolo da Lisboa romântica

O gradeamento que circunda ainda hoje o jardim veio diretamente do Palácio da Inquisição do Rossio, em 1864, para diminuir a tentação do salto. O miradouro de São Pedro de Alcântara era uma “fábrica de suicídios”, que desafiava a desejada identidade romântica do espaço.

Siga e partilhe:
20

No coração de Lisboa – percurso literário

A zona que é considerada por excelência o coração da cidade é também o centro do imaginário literário. Este percurso traça a história de Lisboa, do século XIX até à atualidade, através dos seus escritores.

Siga e partilhe:
20

Cemitério dos Prazeres: a cidade dos mortos a muros com a dos vivos

Os novos espaços funerários do século XIX começaram por acolher sepulturas individuais mas depressa os jazigos se tornaram casas simbólicas que imortalizam, deixando marca no espaço e no tempo. O Cemitério dos Prazeres tem mais de sete mil.

Siga e partilhe:
20

LX Conventos: histórias das casas religiosas de Lisboa

Em 1834, existiam cerca de 100 casas religiosas em Lisboa. Decretada a extinção das ordens religiosas a 30 de maio desse ano, esses edifícios conheceram diferentes destinos.

Siga e partilhe:
20

África no feminino em ruas de Lisboa

Escritoras, jornalistas, académicas, rainhas e até uma escrava. No Dia de África, saiba quem são as mulheres africanas imortalizadas por topónimos nas artérias lisboetas.

Siga e partilhe:
20

O que é que há em Lisboa? O barco para a América

Durante a II Guerra Mundial, Lisboa acolheu milhares de refugiados de passagem para apanhar o barco que os levaria ao destino final. Alfred Döblin, escritor alemão de origem judaica, também passou pela capital, que descreveu como a “boia de salvação” no seu diário de viagem.

Siga e partilhe:
20

“Em Lisboa, sobre o mar”: uma homenagem à cidade e aos seus poetas

Pousa-se o olhar sobre as colinas de Lisboa com Manuel Alegre, caminha-se pela Sé com Ana Hatherly e canta-se no Terreiro do Paço com Vasco Graça Moura. No Dia do Autor Português, recorda-se a antologia poética que celebra a paisagem literária de Lisboa.

Siga e partilhe:
20

Museus – há lugar para jovens?

Raramente visitam um museu, mas com os conteúdos certos poderiam fazê-lo com maior frequência. Uma tese de mestrado em Ciências da Comunicação revela, tomando como estudo de caso o Museu Gulbenkian, estratégias para tornar os museus “um lugar para se estar” para os jovens.

Siga e partilhe:
20

De que se morria em Lisboa entre os séculos XVI e XIX?

Os índices de mortalidade quotidiana na Lisboa moderna eram elevados – cerca de 30 por cada mil pessoas anualmente –, mas a cidade continuava a crescer devido aos intensos fluxos migratórios. A morte chegava a todos. Porém, de forma desigual. 

Siga e partilhe:
20

Seis Marias que fizeram nascer o Bairro da Cruz Vermelha

Um ‘engano’ e uma campanha de angariação de fundos fizeram surgir o Bairro da Cruz Vermelha, inaugurado em 1966. No centro, estão seis Marias da Secção Auxiliar Feminina da Cruz Vermelha Portuguesa, que pediram aos microfones da RTP “nem que fosse um escudo” para construir habitações a quem tinha ficado sem elas.

Siga e partilhe:
20

Fé no feminino: santas e mártires nas ruas de Lisboa

Da Rua de Santa Justa à Rua de Santa Catarina, a toponímia de Lisboa esconde histórias de nove mulheres que, perante as mais desumanas adversidades, não desistiram da sua fé.

Siga e partilhe:
20

Há música militar nos azulejos de Lisboa

Sabia que um dos maiores conjuntos de azulejos com representações de música militar se encontra no Palácio Fronteira, em Lisboa? Luzia Rocha, investigadora da NOVA FCSH, identificou mais de 30 motivos nos painéis que revestem a Sala das Batalhas.

Siga e partilhe:
20

Quanto mundo coube dentro das naus que chegaram e partiram de Lisboa?

Traziam especiarias, sedas, porcelanas ou pedras preciosas, mas também servos da Coroa, religiosos, mercadores e gentes do Oriente e de África. No séc. XVI, Lisboa foi deixando de se surpreender com o mundo exótico que desembarcava das naus da carreira da Índia.

Siga e partilhe:
20