O que é que há em Lisboa? O barco para a América

Durante a II Guerra Mundial, Lisboa acolheu milhares de refugiados de passagem para apanhar o barco que os levaria ao destino final. Alfred Döblin, escritor alemão de origem judaica, também passou pela capital, que descreveu como a “boia de salvação” no seu diário de viagem.

Siga e partilhe:
20

Museus – há lugar para jovens?

Raramente visitam um museu, mas com os conteúdos certos poderiam fazê-lo com maior frequência. Uma tese de mestrado em Ciências da Comunicação revela, tomando como estudo de caso o Museu Gulbenkian, estratégias para tornar os museus “um lugar para se estar” para os jovens.

Siga e partilhe:
20

De que se morria em Lisboa entre os séculos XVI e XIX?

Os índices de mortalidade quotidiana na Lisboa moderna eram elevados – cerca de 30 por cada mil pessoas anualmente –, mas a cidade continuava a crescer devido aos intensos fluxos migratórios. A morte chegava a todos. Porém, de forma desigual. 

Siga e partilhe:
20

Há música militar nos azulejos de Lisboa

Sabia que um dos maiores conjuntos de azulejos com representações de música militar se encontra no Palácio Fronteira, em Lisboa? Luzia Rocha, investigadora da NOVA FCSH, identificou mais de 30 motivos nos painéis que revestem a Sala das Batalhas.

Siga e partilhe:
20

Quanto mundo coube dentro das naus que chegaram e partiram de Lisboa?

Traziam especiarias, sedas, porcelanas ou pedras preciosas, mas também servos da Coroa, religiosos, mercadores e gentes do Oriente e de África. No séc. XVI, Lisboa foi deixando de se surpreender com o mundo exótico que desembarcava das naus da carreira da Índia.

Siga e partilhe:
20

A história atribulada do Convento das Inglesinhas

Um incêndio arrasador e um texto difamatório marcaram os primeiros anos da estadia em Lisboa de religiosos da Ordem de Sião, expulsos de Inglaterra por Henrique VIII. Um artigo de Rogério Miguel Puga, investigador da NOVA FCSH, desvenda a história do primeiro convento inglês a estabelecer-se em Portugal.

Siga e partilhe:
20

Ensinar jazz nos anos de 1970: a criação da escola do Hot Clube de Portugal

A criação da primeira escola de jazz do país foi fomentada pela necessidade de profissionalizar os músicos e de fazer chegar o jazz a mais públicos, mas acabou por afirmar-se também como um novo modelo de ensino, alternativo ao do conservatório.

Siga e partilhe:
20

E fez-se luz na noite lisboeta

A instalação de iluminação no século XIX foi pensada como uma medida de segurança comunitária, mas acabou por alargar as horas de ócio e cultura, fazendo efervescer uma nova faceta da cidade: a da Lisboa boémia.

Siga e partilhe:
20

O 25 de abril nas páginas do Diário de Lisboa

“O Movimento das Forças Armadas prosseguirá na sua ação libertadora” era o título em parangonas da segunda edição do Diário de Lisboa, no dia 25 de abril. A cobertura do vespertino ficou marcada pela ingenuidade e pelo deslumbramento, descreve uma investigadora da NOVA FCSH.

Siga e partilhe:
20

Natália Correia: todas as personalidades num botequim

Nos anos de 1970 e 1980, passaram pelo no n.º 79 do Largo da Graça, no rés-do-chão da Vila Sousa, algumas das personalidades mais relevantes das artes e letras portuguesas. Mas a maior delas seria talvez a anfitriã.

Siga e partilhe:
20

A que soa o bairro da Mouraria?

O ambiente sonoro de um bairro regula e estrutura as experiências nos seus espaços públicos.  Quem o diz é Iñigo Sánchez, investigador da NOVA FCSH, que  explorou o impacto do recente programa de requalificação urbana da Mouraria no seu ambiente sonoro.

Siga e partilhe:
20

Angelina Vidal: uma desfavorecida que defendeu os desfavorecidos

Escritora, professora e olisipógrafa, Angelina Vidal usou as palavras para promover os direitos das mulheres operárias, que viviam com grandes dificuldades financeiras. Esta foi uma realidade que também conheceu de perto na maior parte da sua vida.

Siga e partilhe:
20

Como cuidou a medicina dos sobreviventes após o terramoto de 1755?

“Enterrar os mortos e cuidar dos vivos”, frase que terá sido proferida por Marquês de Pombal após o terramoto de 1755, levou um investigador da NOVA FCSH a uma questão: como foi então a resposta da medicina à maior catástrofe natural em Lisboa?

Siga e partilhe:
20

O imposto sobre as janelas de Lisboa

Em passeios por Lisboa, é usual ver um ou outro prédio mais antigo com as janelas emparedadas. Esta opção não revela uma decisão estética de mau gosto, mas um imposto que vigorou no século XIX.

Siga e partilhe:
20

Lisboa, cidade de loureiros

Sabia que o cheiro e as formas do loureiro, uma das primeiras árvores avistadas por aqueles que atracavam no porto de Lisboa, inspiraram viajantes do século XIX e inícios do século XX? Nesse tempo, houve quem a contrastasse com a poluída e industrial capital britânica.

Siga e partilhe:
20