Projetos de investigação à lupa #3: o papel tem uma identidade e chama-se marca de água

A primeira marca de água surgiu em 1282, em Itália. Desde então, os fabricantes do papel começaram a usá-la como forma de identificação, rica em elementos simbólicos. Um projeto de investigação do CHAM identifica marcas de água dos documentos dos séculos XVI e XVII existentes no arquivo da igreja de Nossa Senhora do Loreto, em Lisboa.

Livro do mês #Fevereiro 2018: Lisboa nas palavras dos outros

Da Lisboa magnífica de princípios do século XVIII à cidade devastada pelo seu acontecimento mais icónico; da Lisboa dos refugiados durante a II Guerra Mundial  à cidade tórrida de Antonio Tabucchi. Este livro, coordenado por Ana Isabel Queiroz, é a narrativa das narrativas sobre Lisboa.

Portas de Santo Antão: em busca dos notáveis

É pequena em extensão – percorre-se em poucos minutos – mas gigante na diversidade. Neste roteiro, procuramos os notáveis de outros tempos. Uns permanecem. Outros são histórias em ruínas.