O estigma do Casal Ventoso: paradigma de uma maleita social

Cenário de vários estigmas, o Casal Ventoso é retratado negativamente desde a sua origem e não apenas pelo olhar dos media atuais.

Considerado um bom exemplo no início da sua edificação, nos primeiros anos do século XX, o Casal Ventoso, que se estendia ao longo de uma encosta do Vale de Alcântara, rapidamente começou a ser associado a problemas sociais. Até 1950, o estigma foi sendo formado em torno da miséria. É descrito em abril de 1934 como uma “mancha de pobreza vergonhosa”, num artigo publicado no Diário de Notícias, dada a ausência de acessos, despejo de lixo e lamaçais. Surge noutras fontes associado a pobreza material e espiritual, promiscuidade sexual e descristianização por não existir uma capela no bairro. Os seus habitantes, a maior parte operários fabris, eram vistos como pouco cívicos e próximos dos ideais políticos comunistas subversivos.

Na segunda metade do século XX, o bairro foi elevado a lugar de delinquência e de atividades ilegais, culminando na década de 1990 no estigma da droga, que alcançou mediatismo nacional. Isso aconteceu não só pela opinião generalizada de políticos, médicos e público em geral de que a droga era o novo problema social e moral, mas também pelos media, que converteram o Casal Ventoso em objecto jornalístico, reproduzindo os seus estigmas.

Este processo de estigmatização do Casal Ventoso é explorado no artigo “ O estigma como espelho: notas sobre a deterioração de uma identidade territorializada” (1999), de Miguel Chaves, sociólogo na NOV FCSH.

O Casal Ventoso foi, já no século XXI, objeto de reconversão social. A sua população foi realojada em habitação social construída ao longo da Avenida de Ceuta, num processo que terminou em fevereiro de 1999. 

Legenda da imagem: Casa Ventoso. Fotografia de Fernando Costa.

Siga e partilhe:
20

Um comentário em “O estigma do Casal Ventoso: paradigma de uma maleita social

  • Lembro-me do Casal Ventoso, dos filhos de amigos irem buscar droga, de um primo ter desistido de lutar para ir morrer no bairro, já não havia cura…simplesmente horrível!
    Mais tarde com a reconstrução do bairro melhorou mas creio que ainda não se dissipou por completo, há várias zonas parecidas em Lisboa e arredores…
    O estigma continua, há-de ser sempre visto como um lugar de delinquência assim tratado pelos meios de comunicação social e outros.
    Discordo em absoluto ! Visitei várias vezes e receberam-me sempre bem, talvez por ter dado aulas num bairro problemático (Galinheiras) …vejo de outra forma ! Temos que mudar de atituade.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *