Projetos de investigação à lupa #6: de Lisboa a Ceuta, o legado de duas cidades (re)descoberto

De que forma uma pequena cidade do norte de África marcou a Lisboa em expansão do século XV? Projeto da NOVA FCSH retratou a relação de Lisboa com Ceuta, cidade cujo simbolismo ainda hoje a História nos faz chegar.

“Lisboa 1415 Ceuta – história de duas cidades”  surgiu no ano em que se assinalaram 600 anos da conquista de Ceuta pelos portugueses, mas André Teixeira, coordenador do projeto e investigador do Centro de Humanidades (CHAM), explicou que celebrar aquela data não foi a prioridade.

Abordar a presença portuguesa no norte de África numa perspetiva diferente do habitual foi o objetivo do projeto: “Procurámos centrar mais nos processos dinâmicos da transformação das cidades e não tanto no evento da conquista”, refere o coordenador. Iniciado em 2015, o projeto procurou assim afastar o foco da conquista e refletir sobre as consequências decorrentes desse evento para as cidades de Lisboa e Ceuta.

Duas exposições – uma realizada em Ceuta e outra em Lisboa – deram vida ao projeto. Urbanismo, comércio e sociedade foram alguns dos temas abordados, com base no trabalho de valorização do património inexplorado de ambas as cidades.

Relação até então inédita, o projeto resultou ainda na ligação institucional entre o Governo da Cidade Autónoma de Ceuta e a Câmara Municipal de Lisboa. Apesar de o projeto ter terminado, a “parceria” continua.

Como explica André Teixeira, “Ceuta teve uma importância simbólica para a História portuguesa maior do que a sua importância real na época.” Exemplos atuais desse simbolismo são a Avenida de Ceuta, uma das maiores avenidas de Lisboa e que adota o nome da cidade conquistada, e a semelhança entre as bandeiras das cidades. Na época, a importância da conquista expressou-se, em Portugal, na então mais corrente moeda, o ceitil.

Destaca-se, entre as várias publicações e artigos científicos a que o projeto deu origem, um dos números da revista Cadernos do Arquivo Municipal. Intitulado “Ceuta e Lisboa – 600 anos”, o número teve a coordenação científica de André Teixeira e foi inteiramente dedicado à temática da conquista e presença portuguesa em Ceuta. Será também lançado em Ceuta um livro sobre documentação e, ainda este ano, serão divulgados na Internet o catálogo e vídeo referentes à exposição.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *