Segredos de Lisboa medieval: a trasladação de São Vicente

A tradição atribui a D. Afonso Henriques a responsabilidade na vinda das relíquias de São Vicente de Sagres para Lisboa. Porém, um investigador do Instituto de Estudos Medievais duvida que esta iniciativa tenha partido do rei.

Reza a lenda que, no século IV, o cristão Vicente de Saragoça foi torturado até à morte pelo imperador Diocleciano por se recusar a oferecer sacrifícios aos deuses pagãos. Com a invasão muçulmana, os seus restos mortais foram colocados num barco à deriva no mar, que daria à costa no Cabo de Sagres. Já no século XII, D. Afonso Henriques prometeu recuperar as ossadas do mártir São Vicente caso conquistasse Lisboa. Fê-lo em 1173 e diz-se que dois corvos protegeram a nau durante a viagem de regresso a Lisboa. São Vicente tornou-se o padroeiro de Lisboa; os corvos e a nau, os símbolos de Lisboa.

Porém, Pedro Picoito, investigador do Instituto de Estudos Medievais, questiona neste artigo (2008) não só a responsabilidade do rei na trasladação das relíquias de São Vicente como a aparente unidade em torno deste novo culto ao padroeiro da cidade.

Uma leitura atenta dos Miracula Sancti Vicentii, o livro de milagres escrito entre 1173 e 1185 por um clérigo da Sé de Lisboa, Mestre Estêvão, permite sugerir que a iniciativa partiu de alguns habitantes da cidade que foram por mar até Sagres depois de terem obtido informações sobre o túmulo de São Vicente junto de moçárabes algarvios.

À chegada a Lisboa, três grupos rivais disputam as relíquias de São Vicente: os moçárabes querem levá-las para a Igreja de Santa Justa, como forma de se apropriarem de um culto importante; os regrantes de São Vicente querem-nas no Mosteiro de São Vicente; e os cónegos da Sé propõem como alternativa a catedral.

Diz o investigador que São Vicente era venerado por todas as comunidades de Lisboa da segunda metade do século XII, mas de forma diferente: para os moçárabes, era um símbolo de resistência ao novo poder vindo do norte; para os cristãos portugueses e francos, um símbolo do domínio sobre o sul conquistado.

A 15 de setembro de 1173, as relíquias foram depositadas na Igreja de Santa Justa. Na manhã seguinte, seriam trasladadas para a capela-mor da Sé e São Vicente tornar-se-ia padroeiro do concelho e da diocese.

Imagem: plano do símbolo de Lisboa (a nau e dois corvos que, segundo a lenda, acompanharam o corpo de São Vicente durante a viagem até Lisboa). Créditos: Margarida Bico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *