20 Setembro, 2019

Ser mulher em Lisboa: a associação que agitou o regime no século XX

A Exposição de Livros Escritos por Mulheres, organizada pelo Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas (CNMP), agitou o poder político do século passado. Adelaide Cabete e Maria Lamas, figuras incontornáveis da sociedade lisboeta, foram as diretoras desta associação feminina que se manteve por 33 anos.

Lutar pelos direitos das mulheres na educação e no seio familiar constituíram o móbil do Conselho Nacional de Mulheres Portuguesas (CNMP). A “mais importante e duradoura associação feminista portuguesa da primeira metade do século XX” foi investigada e analisada por Rosa de Lurdes Correia, na tese de mestrado em Estudos sobre as Mulheres (2013) da NOVA FCSH.

Esta associação, fundada por Adelaide Cabete em 1914, apresentava-se como “uma instituição feminina, apolítica e não religiosa”. Apesar de não ser definida como uma organização feminista, toda a sua história é baseada neste conceito. Os objetivos da fundação do CNMP foram, entre outros, proteger as mulheres e crianças desfavorecidas, assegurar a higienização das grávidas e das puérperas e abolir a prostituição regulamentada.

A época de ouro da agremiação ocorreu na década de 1920, quando o CNMP se afiliou em movimentos femininos internacionais como o International Council of Women (ICW) e o International Women Suffrage Alliance (IWSA). A este último, também pertencia a Associação de Propaganda Feminista “que influenciou significativamente o trabalho do Conselho”, refere a autora.

As mulheres que o constituíam eram sobretudo de origem burguesa e tinham uma escolaridade elevada ou o ensino superior. Na década de 1920, assistiu-se à “adesão de muitas mulheres republicanas e que pertenciam à Maçonaria sobretudo à Loja Humanidade do Direito Humano (mista) ou que viriam a integrar as suas fileiras após a sua filiação no Conselho”, aponta Rosa de Lurdes Correia.

O CNMP expressava-se através da organização e da participação em congressos e conferências, tanto a nível nacional como internacional. A investigadora refere que o primeiro Congresso Feminista e de Educação aconteceu entre  4 a 9 de maio de 1924, na Associação de Socorros Mútuos dos Empregados no Comércio de Lisboa. Mas o principal veículo de comunicação era a publicação de boletins do Conselho, num total de 157 números.

O trabalho desenvolvido para as causas sociais femininas atingiu repercussões a nível nacional, principalmente com a chegada à direção de Maria Lamas, jornalista e escritora, em 1945. Várias são as opiniões sobre o que terá ditado o fim à agremiação, e parte destas razões têm em comum uma exposição.

Em 1947, a Exposição de Livros Escritos por Mulheres foi motivo de muita tinta nos meios de comunicação. Louvada por uns mas odiada por outros, a exposição foi criticada nos jornais ligados ao regime, como A Defesa e o Novidades. Estes jornais alegavam que o Conselho era contra o Estado Novo e que o feminismo estava intimamente ligado ao comunismo.

O nome de Maria Lamas era outra razão. A chegada da jornalista à direção e o sucesso da exposição fizeram com que várias mulheres se inscrevessem no CNMP. Por conseguinte, começaram a ser constituídas delegações espalhadas pelo país. As mulheres reuniam-se e discutiam os problemas afetos à situação feminina, como o analfabetismo e a situação económica. Toda esta visível emancipação feminina não foi bem vista pelo Estado Novo.

Foi a mudança da sede social do Conselho que abriu a janela de oportunidade para o regime intervir. Durante 32 anos, a sede localizou-se no consultório médico da primeira diretora e da sua irmã e sobrinho, Maria e Arnaldo Brazão. O primeiro andar do número 13 da Praça dos Restauradores, em Lisboa, foi a morada da associação. Entre 1920 e 1946, a sede também correspondia às da Liga Portuguesa Abolicionista (LPA) e da  Ligas de Bondade, mas no segundo andar do mesmo prédio. Em 1946, a sede do CNMP foi transferida para a Travessa das Fábricas das Sedas, nas Amoreiras.

A  polícia encerrou esta porta, “sem aviso prévio”, no dia 28 de junho de 1947. Apesar dos esforços de Maria Lamas e das mulheres desta agremiação, a história de 33 anos do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas tinha chegado ao fim.

Fotografia: Adelaide Cabete na manifestação junto ao túmulo de Trindade Coelho, no cemitério dos Prazeres (1908). Arquivo Fotográfico de Lisboa

Escrito por
Ana Sofia Paiva
Ver todos os artigos
Escrito por Ana Sofia Paiva

O PROJETO

Uma nova forma de conhecer Lisboa
+ inovadora + visual e + interativa
a partir do que se investiga na NOVA FCSH. [Saiba +]

APRENDER SOBRE LISBOA NA NOVA FCSH 2017/2018

Tempos e cidades (1.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em Estudos Urbanos, aberta a alunos externos. [Saiba +]

História de Lisboa Medieval (1.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em História, aberta a alunos externos. [Saiba +]

A cidade na cultura oitocentista (2.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em História da Arte, aberta a alunos externos. [Saiba +]

Unidades de Investigação da FCSH/NOVA

Clique aqui para aceder às 16 unidades de investigação da FCSH/NOVA.

FCSH +LISBOA NAS REDES