12 Agosto, 2020

Fotografias que mostram outra época da saúde mental

São cerca de quatro mil e 800 espécimes fotográficos que compõem o espólio do Hospital Miguel Bombarda. Um investigador do Instituto de Comunicação (ICNOVA) da NOVA FCSH demonstra a importância das fotografias para o estudo das doenças mentais no início do século XX.

Miguel Bombarda (1851-1910) foi o pioneiro da psiquiatria portuguesa e da fotografia psiquiátrica. As coleções do médico possuem, a partir de 1902, “um imenso valor documental e científico no âmbito da história da Medicina e da Psiquiatria portuguesa”, devido ao laboratório erguido junto ao Hospital de S. José, refere António Fernando Cascais, investigador no Instituto de Comunicação (ICNOVA) da NOVA FCSH, num artigo (2017) sobre a coleções fotográficas do Hospital Miguel Bombarda, englobado no projeto “História da Cultura Visual da Medicina em Portugal”.

Este projeto teve como um dos objetivos a análise dos arquivos fotográficos do Hospital Miguel Bombarda, onde não só se encontraram uma série de coleções, como a primeira fotografia psiquiátrica no país: “A primeira fotografia psiquiátrica data em Portugal dessas derradeiras décadas de Oitocentos e uma porção dela, porventura até mesmo o seu conjunto mais vasto, mais coerente e mais valioso, é precisamente aquele que encontramos no espólio do Hospital Miguel Bombarda”, aponta o investigador.

São cerca de quatro mil e 800 fotografias, divididas em 52 unidades: dois contentores, 26 caixas, 33 álbuns e um envelope. Este espólio está repartido em seis partes distintas. No meio de outras fotografias importantes, há duas que documentam a visita do poeta Mário Cesariny, em 2003, numa das quais aparece com o diretor do Hospital, no âmbito de um documentário biográfico. Uma outra fotografia inédita é a de Valentim de Barros, homossexual que foi internado no Hospital Miguel Bombarda durante 40 anos.

É então que se “conhece uma época dourada” que se estende até 1920. Tudo devido à curiosidade e trabalho de Miguel Bombarda e de outros médicos como José Sobral Cid.

O estudo das fotografias clínicas

De perfil e em pé, de frente, grandes planos de rosto ou de busto, na maioria com uniforme hospitalar, são o tipo de fotografias que se pode encontrar no espólio do hospital. As fotografias têm um recorte circular ou retangular e mostram principalmente, homens. “Excecionalmente, algumas fotografias são de corpo inteiro, frente e costas, e os pacientes, homens apenas, encontram-se despidos”, explica o investigador.

A coleção das fotografias do “Laboratório D’Analyse Clínica do Hospital Real de S. José e Annexos” ainda tem, em casos raros, a prova de uma posição forçada por um funcionário com o objetivo de mostrar, por exemplo, pálpebras cerradas, a deformação da dentição ou de, simplesmente, mantê-los na posição desejada. Em alguns casos, o Hospital recorria a um estúdio privado, o “Photª Achilles Intendente Lisboa”.

Mulher com parkinson (1926). Direção de Sobral Cid. Retirado do artigo do autor

 

O caso mais famoso é o de Benvinda, uma mulher com microcefalia que foi estudada por Miguel Bombarda durante e depois da sua morte, em 1889, com recurso aos serviços da primeira instituição nacional para a fotografia científica, a Secção Fotográfica da Direção Geral dos Trabalhos Geodésicos, Topográficos e Hidrográficos e Geológicos do Reino, tutelada pelo Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria.

Também entusiastas neste estudo fotográfico de doentes mentais, os médicos Júlio de Matos e José Sobral Cid empenharam-se “em dar um rosto visível à loucura, no qual se pretende que ela seja reconhecível na sua verdade”.

Fotografia: Laboratório de Analyse Clínica do Hospital Real de São José e Annexos (posterior a 1902), sob a direção de Miguel Bombarda. Retirado do artigo do autor.

Escrito por
Ana Sofia Paiva
Ver todos os artigos
Escrito por Ana Sofia Paiva

O PROJETO

Uma nova forma de conhecer Lisboa
+ inovadora + visual e + interativa
a partir do que se investiga na NOVA FCSH. [Saiba +]

APRENDER SOBRE LISBOA NA NOVA FCSH 2017/2018

Tempos e cidades (1.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em Estudos Urbanos, aberta a alunos externos. [Saiba +]

História de Lisboa Medieval (1.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em História, aberta a alunos externos. [Saiba +]

A cidade na cultura oitocentista (2.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em História da Arte, aberta a alunos externos. [Saiba +]

Unidades de Investigação da FCSH/NOVA

Clique aqui para aceder às 16 unidades de investigação da FCSH/NOVA.

FCSH +LISBOA NAS REDES