Cemitério dos Prazeres: a cidade dos mortos a muros com a dos vivos

Os novos espaços funerários do século XIX começaram por acolher sepulturas individuais mas depressa os jazigos se tornaram casas simbólicas que imortalizam, deixando marca no espaço e no tempo. O Cemitério dos Prazeres tem mais de sete mil.

“Um cemitério é uma segunda cidade”. A expressão é cunhada por Paula André na sua tese de mestrado (1999) em História da Arte da NOVA FCSH, intitulada “Os cemitérios de Lisboa no século XIX – pensar e construir o novo palco da memória”. Tal como a morfologia urbana de uma cidade, os cemitérios oitocentistas eram constituídos por artérias principais, como as praças e vias centrais, e por ruas secundárias.

Foi por imperativos de higiene que Lisboa passa de “cidade santuário com cerca de 130 necrópoles a cidade sanitária com dois grandes pólos de enterramento”, salienta a investigadora. Se, no início, os cemitérios públicos não foram bem acolhidos – até então os mortos eram enterrados em solo sagrado ou privado –, depressa o crescimento da cidade os tirou da periferia e os reconheceu como espaços coletivos. A burguesia deixou a sua marca construindo jazigos familiares que se destacavam das sepulturas individuais das classes mais baixas.

Nos anos de 1830, ergue-se, a oriente, o Cemitério do Alto de São João e, a ocidente, o Cemitério dos Prazeres, seguindo o modelo do cemitério parisiense de Père-Lachaise.

O Cemitério dos Prazeres, construído para acolher milhares de vítimas da epidemia de “cólera morbus”, é implantado em parte do terreno da Quinta dos Prazeres, sobranceiro ao vale de Alcântara. Seguindo o modelo de todos os cemitérios públicos, inclui uma ermida e casas próprias para habitação dos empregados. O terreno é dividido em três áreas: uma para enterramentos gerais em valas, outra para sepulturas rasas e uma terceira para mausoléus ou lápides com inscrições.

A arquitetura deste cemitério foi alvo de críticas. Em 1842, um articulista anónimo exprimia no Diário do Governo o seu desagrado com a “comprida rua de monumentos dentro da aridez de um campo murado”, onde os cadáveres apodreciam “com simetria de um e de outro lado”. Também António Feliciano de Castilho se manifestou negativamente em relação a este ordenamento, afirmando que a estética romântica seria o melhor modelo a seguir.

No entanto, à medida que o cemitério foi alargando as suas fronteiras, entrecruzando-se com a malha urbana da cidade, a sua arquitetura foi sendo adaptada aos jazigos, considerados monumentos sepulcrais. Dois deles foram “monumentais construções funerárias”, fruto de grandes encomendas. O jazigo encomendado por António Augusto Carvalho Monteiro (1848-1920) em 1908, ao arquiteto italiano Luigi Manini (1848-1936) é uma monumental construção adornada por esculturas, que ficou situada na praça pública do Cemitério. O outro foi traçado em 1910 pelo arquiteto Ernesto Korrodi (1870-1944), por encomenda da condessa de Burnay, ocupando uma superfície de 25 metros quadrados.

Hoje, o Cemitério dos Prazeres acolhe mais de sete mil jazigos, incluindo o maior mausoléu privado da Europa: o dos Duques de Palmela.

Sabia que a Capela dos Prazeres esconde uma sala onde se fizeram as primeiras autópsias, fora do Instituto de Medicina Legal?

Mausoléu de D. Pedro de Sousa Holstein, 1.º Duque de Palmela

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *