28 Setembro, 2020

A rua “esquecida” pelo terramoto de 1755

Sabia que a Rua do Comércio foi uma das ruas que sobreviveram parcialmente ao terramoto de 1755? E que antes desta catástrofe era um dos pólos económicos da cidade? Uma investigação arqueológica revelou esta história de Lisboa.

Rua do Comércio, nº1 a 13. Este é o sítio onde ainda há histórias por contar e que arqueólogos, entre eles Márcio Martingil, do Instituto de Arqueologia e Paleociências (IAP) da NOVA FCSH, “desenterraram” e colocaram por escrito no I Encontro de Arqueologia de Lisboa (2015).

Antes do terramoto de 1755, o traçado da baixa da capital era islâmico, com ruas e becos estreitos. A Rua do Comércio, no reinado de D. Dinis, era conhecida por Rua Nova de El-rei que, mais tarde no século XIV, passou a ser denominada de Rua Nova dos Mercadores. Contudo, os arqueólogos encontraram evidências que em 1392 também nesta rua se encontrava o Largo do Pelourinho.

“Assim surge o Largo do Pelourinho, como parte constituinte do centro económico, no qual se localizam as seguintes instituições: a Alfândega Velha, a Casa dos Contos e a Casa do Peso; mas igualmente camarária, com os Paços do Concelho, junto do largo e da Rua Nova”, referem os investigadores.

Mais tarde, foi denominada por Largo do Pelourinho Velho, sem se conhecer, até ao presente, mais pelourinhos em Lisboa. Com o passar das décadas, este centro começou a perder notoriedade em detrimento de outros espaços, como o Terreiro do Paço. A antiga casa aduaneira foi transferida em 1526, apontam os investigadores, e “a Casa dos Contos, pertença do rei, são vendidas em 1562 a D. Gilyans da Costa”.

Apesar da queda da sua importância, nem o terramoto de 1755 conseguiu destruir a calçada do Largo do Pelourinho Velho. Porém, esta “sorte” tinha um reverso: a cidade ganhou uma oportunidade de se reconstruir com um traçado diferente do islâmico, mas o seu “«lugar» dentro do novo projecto urbanístico da Baixa pombalina” passou a servir “de base de assentamento do novo edifício pombalino”.

Este edifício com a traça da Lisboa reconstruída, no século XX, era o local de diversas sociedades e firmas industriais, como o Grémio dos Armazenistas de vinhos ou a Sociedade Portugueza de Seguros. Com o passar dos anos, especialmente na década de 1960, o edifício encontrava-se praticamente inabitado, devido ao seu mau estado de conservação.

Acabou por ruir parcialmente nos anos 90, o que levou à demolição do seu interior em 2006, mantendo-se apenas as fachadas. Os vestígios remanescentes encontrados no local permitiram aos arqueólogos descobrir aqueles que julgam ser “uma porção do antigo largo do Pelourinho (Velho)”.

Atualmente, o único Pelourinho de Lisboa encontra-se na Praça do Município, na freguesia de Santa Maria Maior, e é Monumento Nacional desde 1910.

Fotografia: Rua do Comércio na década de 1970 ( Obra 8839; Volume 3 ; Processo 51076/DAG/ PG/1985 – Tomo 1; Página 9), retirada do artigo.

Escrito por
Carlota Nunes, Inês Pinho, Mariana Rosa e Susana Moderno
Ver todos os artigos
Escrito por Carlota Nunes, Inês Pinho, Mariana Rosa e Susana Moderno

O PROJETO

Uma nova forma de conhecer Lisboa
+ inovadora + visual e + interativa
a partir do que se investiga na NOVA FCSH. [Saiba +]

APRENDER SOBRE LISBOA NA NOVA FCSH 2017/2018

Tempos e cidades (1.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em Estudos Urbanos, aberta a alunos externos. [Saiba +]

História de Lisboa Medieval (1.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em História, aberta a alunos externos. [Saiba +]

A cidade na cultura oitocentista (2.º semestre)
Unidade curricular do mestrado em História da Arte, aberta a alunos externos. [Saiba +]

Unidades de Investigação da FCSH/NOVA

Clique aqui para aceder às 16 unidades de investigação da FCSH/NOVA.

FCSH +LISBOA NAS REDES